Parque foi reaberto nesta terça (14) após ficar dez meses fechado por recomendação da Vigilância em Saúde.

População terá que fazer cadastro na portaria para entrar.

Parque da Ilha foi reaberto nesta terça-feira (14) após dez meses fechado Prefeitura de Divinópolis/ Divulgação Após dez meses fechado, o Parque da Ilha em Divinópolis foi reaberto nesta terça-feira (14).

A partir de agora, segundo a Prefeitura, a população terá que seguir alguns critérios para ter acesso ao espaço. A interdição ocorreu em maio de 2019, por uma recomendação da Vigilância em Saúde, depois que uma varredura feita por equipes da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), encontrou no local a presença do carrapato-estrela, transmissor da febre maculosa.

Essa é a segunda vez que o Parque da Ilha passa por um período de interdição.

Em junho de 2018, a Prefeitura fechou o espaço, após casos da doença terem sido registrados em pessoas que frequentavam o parque.

Em entrevista à TV Integração o Secretário de Esportes, Leonardo Franqueira, explicou que para acessar o parque a partir de agora, será exigido um cadastro na portaria.

O cidadão terá que se identificar apresentando inclusive documento. “Os responsáveis terão ainda que assinar para liberar a entrada de menos de 18 anos.

Fizemos também adequações dentro do parque, como o cercamento e isolamento da área da mata onde a população não poderá entrar.

Outra mudança também, é que agora com a reabertura, vamos fazer, a cada dez dias, varreduras no local para continuarmos monitorando”, destacou o secretário.

Segundo a Prefeitura, a última varredura no parque foi feita há cerca de 15 dias e foram constatados um número reduzido de carrapatos estrela.

Varreduras serão feitas no Parque da Ilha há cada dez dias segundo a Prefeitura Prefeitura de Divinópolis/Divulgação Entenda o caso O Parque da Ilha ficou interditado por cinco meses, devido a uma infestação de carrapato-estrela entre agosto de 2018 e janeiro de 2019.

A reabertura foi recomendada pelo setor de Vigilância em Saúde, após realizada uma vistoria que constatou baixa incidência do carrapato no local.

Depois de a recomendação ser acatada por uma comissão, composta por várias secretarias, a Prefeitura deu início à revitalização do espaço. Alguns frequentadores aproveitaram a reabertura para voltar ao parque e praticar esportes na pista de skate.

Conforme informado pelo secretário de Saúde, Amarildo Santos, apesar da liberação do espaço a preocupação com a febre maculosa continua.

“Os hospedeiros continuam aqui e Minas Gerais é uma área endêmica.

Então, o sinal de alerta é constante", disse o secretário. As trilhas que existem no local continuam interditadas e serão extintas devido à proximidade com o Rio Itapecerica, onde estão as capivaras, um dos hospedeiros do carrapato-estrela.

Uma equipe de agentes de endemias orientou a população sobre as mudanças e o que fazer caso encontre um carrapato ou apresente sintomas da doença. Janice afirmou na época que o município pretendia cercar o parque para evitar o acesso das capivaras. “A comissão avalia o cercamento respeitando o fluxo gênico das capivaras, já que elas precisam ter um espaço para transitar na beira do rio.

Nossa intenção é que elas não tragam os carrapatos para o parque, assim fica mais fácil controlar a incidência sem interferir no ecossistema da capivara”, afirmou. A Escola Estadual Professor Darcy Ribeiro, ao lado do Parque da Ilha, que também havia sido interditada, não voltará a receber os alunos.

De acordo com a secretária de educação, Vera Prado, as aulas estão mantidas em uma escola estadual, até que uma nova sede da instituição seja construída. Após dez meses fechado, Parque da Ilha em Divinópolis é reaberto